segunda-feira, 19 de maio de 2014

As Irmãs Florêncio.

 
 
AS IRMÃS FLORÊNCIO I

Eram quatro as irmãs. Todas de branco.
Saíam cada tarde para a igreja.
Caminhavam sorrindo, com leveza.
Suas almas aos céus já haviam dado.

Eram quatro as irmãs. O mesmo porte.
A mesma face humilde e delicada,
O mesmo passo incerto, mas confiante,
Levemente tocando na calçada.

De casa minha mãe lhes acenava
E todos lhes sorriam a qualquer hora,
Saudando nos seus olhos a bondade.

Passados e perdidos tantos anos,
Em puro amor relembro-as com saudade,
Vendo-as ternas e tristes como os anjos.

Artur Benevides
 
  
ARTUR EDUARDO BENEVIDES – Nasceu em Pacatuba, 25 de julho de 1923, filho de Artur Feijó Benevides e Maria do Carmo Eduardo Benevides. Fez os preparatórios no Colégio São Luís e no Liceu, bacharelando-se em 1947 pela Faculdade de Direito do Ceará. Bacharel em Letras (!970). Presidiu o Centro Acadêmico Clóvis Beviláqua e a Sociedade Acadêmica de Cultura. Iniciou-se no jornalismo (“Correio do Ceará”, “Unitário”, “O Povo”, “O Nordeste”). Um dos fundadores do... Leia mais aqui:

Visite também:

4 comentários:

✿ chica disse...

Lindo olhar sobre essas irmãs de brando...Bela poesia! abração,ótima semana!chica

Anne Lieri disse...

Furtado,que linda a poesia que escolheu! Bjs e uma boa semana,

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu amigo

Mais um belo poema de um poeta que não conhecia e adorei ler.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Maria Rodrigues disse...

Meu amigo excelente escolha, um lindo poema de um poeta que não conhecia, obrigado pela partilha.
Beijinhos
Maria