domingo, 21 de agosto de 2011

Espera.


ESPERA 

Canções ecoam mansas pelos vales 
e sobem as montanhas docemente 
e delas adormece o solo quente 
e eu sobre ele sonho a cor dos males... 

Tudo está em mim à espera que tu fales... 
Por essa terra fora, terra quente 
só aos ecos respondem docemente 
os sons cruéis que eu quero que tu cales!... 

A tua voz não vem com a dos ecos... 
ao pé de mim só estalam ramos secos... 
e de ti nada chega aos meus ouvidos 

E em mim vou sempre esperando a tua voz... 
Será somente o meu pensar em nós? 
Ou tocar me á em todos os sentidos?... 

Jorge de Sena 


Jorge Cândido de Sena nasceu em 2 de Novembro de 1919 em Lisboa. Terminou em 1936 o seu curso de liceu (média de 13 no 5º e 6º anos, média de 14 no 7º ano), ano em que se inscreveu nos preparatórios para a escola naval. Formou-se em engenharia civil na Faculdade de Engenharia do Porto (licenciou-se com 13 valores). 

Até 1959 foi funcionário da Junta Autónoma de Estradas, data em que se exila no Brasil, onde conclui o doutoramento em letras e rege as cadeiras de teoria da literatura e literatura portuguesa na Universidade de Araquara. 

A partir de 1965 passa a viver nos E.U.A. acompanhado da esposa Mécia de Sena, de quem teve nove filhos, sendo professor catedrático na Universidade de Winsconsin e, posteriormente na Universidade da Califórnia - Sta. Bárbara, onde dirigiu o departamento de literatura portuguesa e espanhola. Recebeu ao longo da sua vida vários prémios, entre eles a Grã-Cruz de Santiago

Faleceu em 4 de Junho de 1978. Três dias depois, a Assembleia da República exprimia pesar unânime, certamente partilhado por todos os que tiveram a honra de o conhecer a si ou à sua obra. 

Fonte: http://www.citi.pt/

Visite também: 

7 comentários:

✿ chica disse...

Mais um lindo poema, acompanhado dessa biografia que sempre te preocupas em colocar.Isso é legal! abraços,tudo de bom,lindo domingo e semana!chica

Pena disse...

Genial e Fabuloso Amigo:
"...Tudo está em mim à espera que tu fales...
Por essa terra fora, terra quente
só aos ecos respondem docemente
os sons cruéis que eu quero que tu cales!..."

O que deu viva voz poética maravilha de magia sublime.
É perfeito nas suas escolhas literárias de fascínio.
Parabéns sinceros.
Abraço amigo de profundo respeito pelo que conecebe de deslumbrar e maravilhar.
Sempre a admirá-lo

pena

Escreve poemas com o seu coração sensível e bom. Parabéns sinceros.
Adorei.
Bem-Haja, pela honra da sua pura amizade.
É fantástico.
Adorei.

Everson Russo disse...

Que seja sempre serena essa espera....abraços de boa semana pra ti meu amigo...

BELA FLOR. disse...

Olá vim te fazer uma visitinha...muito belo seu blog...parabéns e esta belo seu poema também!

beijos

Luiza França disse...

Jorge de Sena é tudo de bom!

Lindissímo poema.


Bjs

Luiza
www.barracodevidro.blogspot.com

Livinha disse...

Espera...
Do ponto a ânsia a querer dá partida, a chegada do que se aguarda. O tempo que mata o que se deseja para um ontem e jamais para um amanhã...

É assim meu amigo o que nos faz sofrer nas oscilações a deixar doido no que queremos tanto. Diz-se o teste da paciência o que impacienta a muitos...

Linda semana

bjs
Livinha

Flor de Lótus disse...

Ahh a espera,nunca é fácil,nunca é simples,mas sempre é necessário esperar,tudo acontece no tempo certo.
Beijosss

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...