terça-feira, 23 de julho de 2013

Pernoitas em mim.



 

PERNOITAS EM MIM

pernoitas em mim
e se por acaso te toco a memória... amas
ou finges morrer
pressinto o aroma luminoso dos fogos
escuto o rumor da terra molhada
a fala queimada das estrelas
é noite ainda
o corpo ausente instala-se vagarosamente
envelheço com a nómada solidão das aves
já não possuo a brancura oculta das palavras
e nenhum lume irrompe para beberes

Al Berto

Poeta e editor português, de nome completo Alberto Raposo Pidwell Tavares, nasceu a 11 de janeiro de 1948, em Coimbra, e faleceu a 13 de junho de 1997, em Lisboa. Tendo vivido até à adolescência em Sines, exilou-se, entre 1967 e 1975, em Bruxelas, dedicando-se, entre outras atividades, ao estudo de Belas-Artes. Publicou o primeiro livro dois anos depois de regressar à Portugal. Em mais de vinte anos de atividade literária, a expressão poética assumida por Al Berto, o pseudônimo do autor, distingue-se de qualquer outra experiência contemporânea pela agressividade (lexical, metafórica, da construção do discurso) com que responde à disforia que cerca todos os passos do homem num universo que lhe é hostil. Leia mais aqui:

Visite também:


2 comentários:

Daniel Costa disse...

Rosemildo

A divulgação é de suma importância para quem é hávido de conhecimentos culturais. Depois de se gostar do poema, vem uma boa nota biográfica que muito, valoriza quem lê o conjunto.
Abraço

ReltiH disse...

UN TEXTO MARAVILLOSO. GRACIAS POR COMPARTIR.
UN ABRAZO

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...