segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Sempre viva.

   

 


SEMPRE VIVA

Quando àquelas saudades me entregaste,
Ao transarmos e o abraço em despedida.
Disseste: unidos são numa só haste,
Como somos nós dois numa só vida.

Assim, tu tão solene, me juraste,
No pungente momento da partida.
Tua face eu beijei, tu me abraçaste
E parti levando a alma constrangida.

As saudades então me acompanharam,
E, quando aquela jura feneceu,
Elas incontinente revelaram.

De uma forma, aliás, mui positiva,
Uma delas (a tua) emurcheceu,
E a outra se transformou em sempre viva.

R.S. Furtado

Visite também:
Clicando aqui:

9 comentários:

✿ chica disse...

Aplaudindo tua pela poesia,cheia de sentimento e tão bem inspirada! Valeu!abração,chica

lua singular disse...

Oi Rosemildo,
O que aconteceu? Já vim aqui e não consegui comentar em nenhuma postagem.
Bela a sua poesia
Beijos
Lua Singular

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Uma bela poesia meu amigo.
Um abraço e boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
Livros-Autografados

Andradarte disse...

É.....Saudade é mesmo isso..
Belo soneto.
Obrigado pelas suas visitas.
Abraço

Sandra Botelho disse...

Que linda tua poesia!!! Me emociono !
Bjos achocolatados!

Daniel Costa disse...

Furtado
Beleza de soneto de soneto, exaltando o amor, a verdadeira vida. E também o sal da poesia.
Abraço

Maria Rodrigues disse...

Saudades sempre tocam o coração.
Lindo poema.
Um abraço
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Soneto, coisa nobre. Belíssimo. As saudades não partem, sempre se mantêm para fazer doer.


Abraço
SOL

dinapoetisadapaz disse...

Um belo e primoroso soneto, a última estrofe é esbanjamento de lirismo pleno!
Sua veia poética sobeja inspiração e talento.

Boa semana Rosemildo.

Abraço!