segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Dura realidade.

 


DURA REALIDADE

Ela sempre foi muito linda,
Desde o dia em que nasceu.
Dona de uma beleza infinda,
Dádiva que DEUS lhe deu.

Nasceu numa humilde casinha,
Num bairro pobre da periferia.
Os pais com o pouco que tinha,
Nunca lhe davam o que queria.

Sempre via, quando ia à cidade,
As mocinhas que por si passavam.
Bem vestidas, esnobando vaidade,
Indiferentes, nem sequer lhe notavam.

A inveja então, lhe subiu à cabeça,
E a revolta invadiu seu meigo coração.
Saiu de casa, e por incrível que pareça,
Na praia, foi rodar a bolsa no calçadão.

Sua vida então, de imediato mudou,
O resultado foi outro, não o que pensava.
Ao invés de melhorar, tudo piorou,
Sua vida aos poucos desmoronava.

Pra casa logo, resolveu voltar,
E aceitar a vida como realmente é.
Em luxo jamais, deveria pensar,
Pois é só pra quem pode, e não pra quem quer.

A experiência valeu, foi uma lição de vida,
Pois não é luxo ou riqueza que traz felicidade.
Ensinou-lhe que mais vale uma vida sofrida,
Que enfrentar o rigor da dura realidade.

R.S. Furtado.

Visite também:
Com a história da Literatura Brasileira 
Clicando aqui:

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Limites.



  

LIMITES

Uma bexiga estouraria, se além da sua capacidade, de ar alguém a enchesse. Portanto, como seria a terra, ou, o que seria da terra, se o ser vivo não morresse?”
 R.S. Furtado 
(Reedição)

Visite também: 
Com a história da Literatura Brasileira 
Clicando aqui:
 

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Estar contigo agora.

ESTAR CONTIGO AGORA

Ah! Se eu pudesse estar contigo agora,
Sentir o teu calor mesmo por um momento.
Acariciar tua pele, como nos tempos de outrora,
E beijar-te os lábios, já seria um alento.

Ah! Se eu pudesse estar contigo novamente,
Retornar aos lugares belos e aprazíveis.
Onde, envolvidos com nossos corpos quentes,
Vivemos os nossos dias mais felizes.

Poder estar contigo agora novamente é sonho?
Se sonho ou realidade, pra mim não importa.
Pra ti reservo-me, pra ninguém me disponho,
Pois a esperança de te encontrar, ainda não está morta.

Quem sabe, amanhã, depois, em algum tempo,
Vou sorrir, chorar, vislumbrar o firmamento,
Correr o mundo, e gritar por aí a fora.
Que o que vivo é real, não é pensamento,
E que Deus, nosso pai, realizou o meu intento,
De novamente, poder estar contigo agora.

R.S. Furtado

Visite também:
Com a História da Literatura Brasileira 
Clicando aqui:

domingo, 9 de agosto de 2015

Dor.

DOR

Às vezes, uma pequena dor sentida é sinal de que estamos com vida, e de que é chegada a hora de agradecermos a DEUS, nosso PAI, por ainda estarmos vivos.”
 R.S. Furtado   
Visite também: 
Com a História da Literatura Brasileira 
Clicando aqui:

SALVE DIA DOS PAIS 
A todos os pais do mundo, minha humilde e sincera homenagem. 
 

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Julgando ser.

JULGANDO SER
Julgo-me às vezes poeta, e com vaidade,
Como agora ao papel eis que me atiro.
Nunca arranjo que sirva esta verdade,
Leitor, dizer-te logo aqui prefiro.

A caixa do pensar, viro e reviro,
Mexo, remexo e, com dificuldade.
Martelando eu, é que às vezes dela tiro,
Alguns versos de baixa qualidade.

Quando além de um, consigo outro quarteto,
É já descontrolado, o miolo tonto.
E, outra estrofe não passa de terceto.

E, certo de que um poema, não dou pronto,
Pra sair da enrascada que me meto,
Deixo em paz a cachola, faço ponto.

R.S. Furtado 
Reedição

Visite também: 
Com a história da Literatura Brasileira 
Clicando aqui: 
 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...