segunda-feira, 29 de junho de 2015

Merecimento.

MERECIMENTO

Não adianta rogares a São Pedro por um lugarzinho lá em cima, se aqui em baixo não fizeres por onde comprovar o teu merecimento.”

R.S. Furtado 

Visite também: 
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:

segunda-feira, 22 de junho de 2015

O Arrasta-pé do Jojó de Totonha.

O ARRASTA-PÉ DO JOJÓ DE TOTONHA 

Mês de junho! Todo ano neste mês,
O São João no Nordeste é animado.
Tem gente acostumado, já freguês,
É corre-corre, é turista de todo lado.

Aqui pertinho tem um famoso arraiá,
É o arrasta-pé do Jojó de Totonha.
Tem gente decente, que vai só brincar,
Mas também vai cabra sem vergonha.

Na festança, tem dança de todo jeito,
Tem forró e também tem quadrilha.
Tem tanta mulher, que o sujeito,
Nem se importa com a partilha.

Chega a hora em que a mulherada,
Queira ou não, é intimada a dar.
E, na espreita, fica a rapaziada.
Para no momento, se aproveitar.

Tem umas que dão mesmo sem querer,
Tem outras que fazem questão de dar.
Já tem umas que dão por prazer,
Enquanto outras, não querem nem pensar.

Tem aquela que reluta, mas contudo,
Sem saída, a dar ela é sempre obrigada.
Já tem umas que não dão, nem por tudo.
Já outras que insistem, e dão por nada.

Tem umas, nem ligam, dão sorrindo,
Tem outras que dão de cara fechada.
Mas logo se vê, todas estão fingindo,
Porque a vontade é dar dando risada.

No final, que se segure a rapaziada,
Cada um que controle à emoção.
Pois é chegada a hora da mulherada,
Dar à tão esperada rodada no salão.

R.S. Furtado.
(Reedição)
 
Visite também: 
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:

segunda-feira, 15 de junho de 2015

O bem.

        

O BEM

Deixeis que desabrochem as flores do bem que existem em vós, antes que as maldades do mundo às sufoquem e seja tarde demais.”
R.S. Furtado
Visite também: 
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Acode eu Santo Antonho!


ACODE EU SANTO ANTONHO!

Hoje acordei arretada, virada cum a molesta!
Êta vida desgramada. Só pra eu nada presta!
Passei a noite toda sozinha, cum muita fome.
Mais hoje, sem farta vou cedinho lá pra festa,
Vesti a rôpinha mió, carçá a sandaia qui presta,
Pru mode vê se dá sorte, e eu arrume aigum home.

Hoje é vespra de Santo Antonho casamentêro,
Quem sabi aculá na festança, no meio do terrêro,
Ele atenda o meu sonho, arranje um home pra eu.
E acaimá mais, só um pouquinho minha vida,
Aquetá minha disprezada, surfrida e inxirida,
E mostrá qui Deus é bão, e nunca mi isqueceu.

Quem tivé a vida surfrida, iguarzinha a minha,
E quisé tombém aquetá a assanhada bixinha,
Faça comu eu, pedi baxinho, pur baxo do pano.
Aproveita qui hoje é o dia de pedí, num isquece,
Pruque num é todo dia qui o santinho aparece,
Essa xanxe demora, a genti só tem de ano e ano.

Acode eu Santo Antonho!

R.S. Furtado 

Visite também: 
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:
 

segunda-feira, 1 de junho de 2015

O bom da vitória.

"O BOM DA VITÓRIA"

Para ser vitorioso não basta simplesmente o fato de ganhar uma guerra, mas sim, saber aproveitar os frutos da vitória, utilizando-os na prática do bem.” 
 
R.S. Furtado 

Visite também: 
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...