quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Sonetelheiro.

 

SONETELHEIRO

Aproveitei que desprezaram meu poemeto
Num sarauzim, ao argumento de obscuro,
Peguei papiro e abracei meu sonho duro:
Será que – enfim – logro compor algum soneto?

Forcei mi'a pena a tecer gás, qual carbureto,
Pra lapidar um lenho xucro e tão impuro
Cheguei com sorte a duas quadras, mas o enduro
Exige ainda, em seu final, duplo terceto.

Ó, São Petrarca... Empreste luz para este traste,
Que triste vê seu sonetar tão sem centelha...
Orei com fé, e esta estrofe veio à telha,

E a este tonto que só quer sagrar-se vate,
Por compaixão, 'il' santo baixa e me aconselha:
– Sem arremate, ó pobrezim, só se assemelha!

Rangel Mailton
 

Mailton Rangel de Freitas, poeta, compositor e artista plástico, nasceu em 07 de setembro de 1952, em Italva, interior do estado do Rio de Janeiro, quando a cidade ainda era um precário distrito do município de Campos dos Goitacazes.

Oriundo de família humilde, adicou-se na Baixada Fluminense desde os três anos de idade onde, durante as décadas de 70 e 80, mesmo extraindo seu sustento de subempregos, também se integrava, na medida do possível, a movimentos culturais e de formação de jovens. Assim, ele consolidou seu gosto pelas artes, apurando substancialmente... Leia mais aqui:

Visite também:
Com a História da Literatura Portuguesa 
Clicando aqui:

9 comentários:

✿ chica disse...

Lindos e bem humorados versos! Gostei! abração,lindo dia! chica

SOL da Esteva disse...

Soneto genial. Deveria ser parte do ensino da Arte de escrever Sonetos.
magnífico.


Abraços



SOL

Laura Santos disse...

Um poeta preocupado com a defesa da dignidade e essencialidade humanas, apresentado aqui num soneto no qual pede ajuda a "São" Petrarca!
Excelente soneto com imenso sentido de humor!
xx

Tais Luso disse...

Eu diria, pra acompanhar a linguagem, um soneto supimpa!!!Louco de bom!!!
Abraços, amigo.

Vanuza Pantaleão disse...

Esse campista parece que brinca, mas de soneto ele sabe tudo.
Amigo, obrigada por querer acompanhar as "aventuras e desventuras" dos nossos personagens, isso me honra muito.
Um bom final de tarde!
Grande abraço!!!

Daniel Costa disse...

Rosemildo
Sendo Rangel Mailton, poeta contemporâneo, o soneto que aqui apresentas, não destoa da grandeza dos anteriores. Diferenças tem e a sempre é bom poder, avaliar pela diversidade.
Gostei!
abraços

Edumanes disse...

Sonetelheiro proveitoso,
num dia soalheiro
neste mundo maravilhoso
debaixo do sombreiro
para não sofrer queimaduras no corpo.

lograr no composto,
depois de um dia agradável
quando chega o sol posto
o fim do dia formidável.

Bom fim de semana, amigo Furtado, um abraço.
Eduardo.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Gostei imenso deste soneto e de
conhecer este poeta.Obrigada,
pela partilha.
Um abraço
Irene Alves

Maria Teresa Valente disse...

deliciosamente agradável o soneto. gostei...
Obrigada por nos brindar com jóias primas..
Abraços carinhosos
Maria Teresa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...