sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Sé de Pedra.

 
SÉ DE PEDRA

Não reparaste nunca? Pela aldeia,
Nos fios telegráficos da estrada,
Cantam as aves, desde que o sol nada,
E, à noite, se faz sol a luz cheia...

No entanto, pelo arame que as tonteia,
Quanta tortura vai, n'uma ânsia alada!
O ministro que joga uma cartada,
Alma que, às vezes, d'além-mar anseia:

– Revolução – Inútil. – Cem feridos,
Setenta mortos. – Beijo-te! – Perdidos!
– Enfim, feliz! – ! – Desesperado. – Vem!

E as lindas aves, bem se importam elas!
Continuam cantando, tagarelas:
Assim, António, deves ser também.

António Nobre
 
Poeta português, nascido em 1867, no Porto, e falecido a 18 de março de 1900, na mesma cidade. A infância e a adolescência de António Nobre foram passadas entre Leça da Palmeira, onde o pai, antigo emigrado no Brasil, possuía uma quinta, e a Foz do Douro. Tendo estudado em colégios do Porto, frequentou os principais centros da boemia portuense, convivendo com figuras literárias como Raul Brandão e Júlio Brandão e publicando criação poética. Frequentou posteriormente a Faculdade de Direito de Coimbra, onde, com Alberto de Oliveira, fundou a revista Boémia Nova, cuja polêmica com a publicação de... Leia mais aqui:

Visite também:

6 comentários:

Joaninha Musical disse...

Gostei imenso do poema de Antonio Nobre!! Que lindo poema!! Desejo bom fim-de-semana para ti meu querido amigo,tudo de bom para ti!! Muitos beijinhos,fica com deus e até breve!! http://musiquinhasdajoaninha.blogspot.pt

MARIA CATHERINE RABELLO disse...

Oi amigo,

Parabéns pelo os textos e biografias, seu blog é completo, é só cultura, beijos!

Feliz vida!

Daniel Costa disse...

Foi pena António Nobre se ficar apenas na sua obra poética - simplesmente o - Só. Quem conhece a obra, sabe que é uma preciosidade da poesia portuguesa.
Abraço

Daniel Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vento disse...

lindíssimo soneto!
e as saudades que me trouxe...
chegavam com a primavera, as andorinhas, às centenas, nos cabos eléctricos, pela cidade fora, era um concerto espantoso, de alegria.
gosto das tuas escolhas, também dos poemas da tua autoria.
beijinho, Furtado.

Cris Bo disse...

Es un gran placer llegar hasta tu espacio, preciosas entradas!
Te dejo un fuerte abrazo.
Cristina.

http://sombriabelleza.blogspot.com/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...