sábado, 14 de setembro de 2013

"Abandono vigiado."



“ABANDONO VIGIADO”

Ler O'Neill
Aqui na prisão,
É como cuspir na cara dum burguês
(Francês, português ou angolês,
Tanto fez ou faz...)
Empanturrado de consideração...
Portanto, meu rapaz,
Desculpa a sem cerimónia,
E puxa-me da cachimónia,
O sumo de limão
Do verso que te apraz...

António Cardoso

Leia mais um belo poema e a biografia do autor aqui:

Visite também:

5 comentários:

✿ chica disse...

Bem interessante essa poesia.Gostei! Direta,! abração,lindo fds! chica

Anne Lieri disse...

Poema ardido, mas gostei muito!Bjs,

Livinha disse...

Olá meu amigo Furtado
sinto saudades e não sabes
o quanto me tem sido difícil
o caminho pelo qual estou dentro.
E que jeito se não encontro
uma placa de saída,
um objeto, qualquer luz que
me mostre alternativas.
Talvez como o poeta em abandono
de mim, porém sem vigília,
saindo atenta para não ser vista...

Passe lá na minha casa, haverás
de compreender.
Fica frio que de antemão aviso
não haverei de me esconder.
Outra página de partida chegará
para que todos possam ver,
como um renovar de esperança,
um novo recomeço, que a quem
posa duvidar, haverá de ver...

Beijinhos deixando aquele abraço
apertado...

Livinha

Cristina disse...

Un poema intenso...sorprendente.
Un placer pasar a leerte y dejarte un fuerte abrazo!
Que tengas un excelente fin de semana!

Maria Rodrigues disse...

Não conhecia o poeta, obrigado pela partilha.
beijinhos
Maria

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...