segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Mitologia Crioula.


MITOLOGIA CRIOULA 

(In memorian do profeta Nhu Naxu) 

Nabucodonosor! 
Nabucodonosor! 

Onde estão a tua espada 
e a tua raiva 
nas brumas suculentas de Santiago? 

Os templos caíram em ruínas 
desde quando a eternidade 
ruía defronte dos galeões 
e desfazia-se nos basaltos das ribeiras 

As cidades de tão velhas 
metamorfosearam-se em aldeias 
e cobriam as faces da amnésia 

Os campos continuam perscrutantes 
e oferecem olhares melancólicos às urbes 
do nosso querer 

Os homens esses encontram-se presos 
em plena cidade 
pelas âncoras do vento 

Nabucodonosor! 
Nabucodonosor! 

José Luiz Hopffer Almada 


JOSÉ LUIZ HOPFFER C. ALMADA utiliza os nomes literários Zé di Sant’y Águ, Erasmo Cabral d’Amada, Tuna Furtado, Dionísio de Deus y Fonteana e Alma Dofer. 

Nasceu a nove de dezembro de 1960, no sítio de Kel-Len (Pombal), Conselho de  Santa Catarina (Ilha de Santiago), EM Cabo Verde.

A partir dos quatro anos de idade passou a residir com a família em Assombra, onde concluiu o Ensino Primário e o Ciclo Preparatório. 

Cursou os Liceus na Cidade Ada Praia, onde exerceu destacadas funções no movimento associativo estudantil e no seio da Juventude estudante Africana Cabral, liceal, de que foi militante até 1979. Enquanto estudante exerceu funções de responsabilidade em vários campos agropolíticos, tendo participado do XI Festival da Juventude e Estudantes (Cuba, 1978) e do Seminário de Cultura de Rufisque (Senegal, 1979). 

Licenciou-se em Direito pela Universidade Karl Marx, de Leipzig (1984). Foi co-fundador do Núcleo e do Movimento Pró-Cultura e da Revista de Artes, Letras e Cultura Fragmentos, de que é Diretor, um dos principais dinamizadores do Voz di Letra (suplemento cultura do jornal Voz di Povo) e a realizador do programa radiofônico de cultura “Gentes, Idéias, Cultura”. 

Foi-lhe atribuído, em 1978, o primeiro prêmio do Concurso Literário Nacional e, em 1979, o segundo prêmio ex-aequo do Concurso Literário Nacional, realizado nesse ano. Integrou a Comissão Nacional para o Acordo Ortográfico (1986/87), o júri do prêmio “Jorge Barbosa” (1987), a Comissão Nacional da Língua Cabo-verdiana e o conselho Nacional de Cultura. É membro fundador da Pro-Associação e da Associação dos Escritores Cabo-verdianos, bem como Associação dos Amigos do Conselho de Santa Catarina, cujas Direções integra. 

Participou do Simpósio sobre a Literatura e a Cultura Cabo-verdianas (Mindelo, 1986), do Simpósio Integral sobre a Poesia e o Sagrado (Liège, Bélgica, 1990), do Encontro sobre a Música Nacional (Praia, 1988) e de várias mesas-redondas sobre a Cultura. Tem trabalhos publicados no Voz di Letra, no VP – Caderno2, no Voz di Povo, no Jornal de Angola, nas revistas Fragmentos, Ponto e Virgula, Pré-textos, Seiva e Artiletra. Consta da antologia Changing Afrika, organizada pelo professor Gerald Moser (1992). Exerceu as funções de Diretor do Gabinete de Assuntos Jurídicos e de Legislação da Chefia do Governo. Para além da antologia Mirabilis – De Veias ao Sol, publicou À Sombra do Sol I e À Sombra do Sol II. Reside na Cidade da Praia. 

Fonte: http://www.antoniomiranda.com.br. 

Visite também: 

4 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

Como eu costumo dizer, saio sempre daqui mais rica, adorei este poema e não conhecia o poeta.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Everson Russo disse...

Uma bela postagem meu amigo,,,sempre bom conhecer,,,abraços de boa semana pra ti.

。♥ Smareis ♥。 disse...

Oi meu amigo, que belo esse texto, não conhecia o poeta. Sempre fico curiosa a respeito de todos os poeta que você posta aqui, sempre são excelentes. Desejo um ótimo começo de semana cheio de coisas especiais. Beijo grande!
Smareis

Sandra Botelho disse...

Aqui a cultura respira.
Bjos achocolatados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...