domingo, 11 de setembro de 2011

Formiga.


FORMIGA 

Pequeno dragão 
doméstico. 

Cabeça grávida 
de hibisco. 

Rústico abdome- 
cogumelo. 

Escava o incerto 
dos dias, 

para a trilha 
vertical 

de farelo, 
fúria e folhas. 

Carrega seus mortos 
nas costas, 

com precisa 
geometria 

de fábrica 
fúnebre. 

Cláudio Daniel 


Claudio Alexandre de Barros Teixeira (São Paulo SP 1962). Poeta, tradutor e ensaísta. Faz o curso de jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, de 1982 a 1984. Cria, com um grupo de amigos, a revista cultural Gaia, em 1989. Assume o pseudônimo de Claudio Daniel, adotando o nome "Daniel" em referência ao trovador provençal Arnaut Daniel (ca. século XIII) e ao profeta Daniel do Antigo Testamento. Em 1990, visita o mosteiro zen Morro da Vargem, em Ibiraçu, Espírito Santo, onde fica hospedado por alguns dias - experiência marcante que, somada às leituras sobre budismo e peregrinações a templos de outras tradições religiosas, o influencia a usar temas orientais em sua obra. Nesse ano, participa da antologia Cem Haicaístas Brasileiros, organizada pelo haicaísta Masuda Goga (1911). Publica seu primeiro livro de poemas, Sutra, em 1992, e seu único livro de contos, Romanceiro de Dona Virgo, em 2004. Desde 2003, edita, com o escritor Rodrigo de Souza Leão (1965) e a webmaster Ana Peluso (1966), a revista literária eletrônica Zunái. Seus poemas são traduzidos para o inglês e espanhol, e também publicados na Folha de São Paulo e em antologias como Poetas na Biblioteca, 2002, e Antologia Comentada da Poesia Brasileira, 2006, organizadas pelo escritor Reynaldo Damazio (1963), e pelo escritor Manuel da Costa Pinto (1966), respectivamente. Em 2004, é um dos curadores do evento Encontros de Interrogação, promovido pelo Instituto Itaú Cultural, e em 2006 organiza a Galáxia Barroca, Encontro de Poetas Latino-Americanos.  Atualmente é curador de literatura e poesia no Centro Cultural São Paulo.  

Fonte: http://www.itaucultural.org.br/

8 comentários:

OutrosEncantos disse...

ah!...
adorei Furtado! a formiga, um ser quase microscópico...
esse poema merece uma profunda reflexão...!

beijinho querido amigo.
perdoa as minhas ausências.
vejo-te sempre, lá de longe. :)

O Impenetrável disse...

simplesmente adorei esse poema, um dos mais interessantes que li nas últimas semanas.

o blog continua a mesma maravilha de ler e descobrir.

grande abraço, ótimo domingo e semana!

✿ chica disse...

Puxa, quanta coisa sobre esse minúsculo ser...Linda! abração,chica

Orvalho do Céu disse...

Olá,
Ontem admirei uma formiga carregando a sua folhinha... uma lição de vida!!!
Abraços fraternos de paz

Everson Russo disse...

A grande trabalhadora da vida...abraços de boa semana pra ti amigo...

Maria disse...

Excelente escolha, um poema encantador, uma homenagem à formiguita.
Bom domingo
beijinhos
Maria

Carla Fernanda disse...

E que amiguinhas trabalhadeiras as formigas... não param nunca....Muito real!
Beijos amigo querido e boa noite!
:D

Wanderley Elian Lima disse...

Bastante original o poema. Coisas simples , com um grande resultado.
Abração e boa semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...